Fernando Pessoas – 9.18.2006

A) Não é possível falar de Alberto Caeiro sem contextualizar a noção do sujeito moderno e contemporâneo, o conceito de subjetividade contemporâne que subjaz a sua poesia. Acreditamos que configuração autoral-poética encontrada na estrutura fragmentar do Eu poético pessoano só pode se tornar possível dentro de um conceito de subjetividade já estilhaçado e esfacelado, que identifica o Séc. XX e sua multiplicidade de representações do Eu. O fim da subjetividadem como “recipiente”, onde se “depositam” experiências objetivas subjetivadas, mas agora entendida como uma série de relações que “subjetivizam o objetivo e objetivam o subjetivo”.

B) Analisar as poesias do homônimo de Fernando Pessoa, Alberto Caeiro, a partir de um referencial teórico que não seja estranho às suas poesias. Dado o posicionamento existencial de Alberto Caeiro, um anti-essencialismo que duvida da cognoscibilidade do mundo, a busca de um foco quase fenomenológico do mundo, nesse contexto, achamos prudente analisar os poemas de caeiro a partir de uma referência teórica que não represente um corpo estranho seu pensamento.
Assim, optamos por uma orientação fenomenológica-estrutural na análise dos poemas, cujo objetivo é tão somente descrever as funções e relações do poema a partir dos dados apresentados por ele mesmo, na esperança de, a partir do reconhecimento dessas funções, iluminar e compreender como a filosofia de Alberto Caeiro se faz transparecer na superfície dos seus poemas.
 

Bibliografia:
CAEIRO, Alberto. Poemas completos de Alberto Caeiro. IN: PESSOA,
Fernando. Obra poética em um volume. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar,
1999.
DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade Vol. II (introdução). Rio de
Janeiro: Ed. Graal, 1984.
GOLDMAN, Márcio. Objetivação e subjetivação no último Foucault. IN: Da
arqueologia do saber à estética da existência. BRANCO, Guilherme Castelo
e NEVES, Luis Felipe Baêta – Org. Rio de Janeiro: NAU Ed., 1998.
RAMOS, Maria Luiza. Fenomenologia da obra literária. Rio de Janeiro: Ed.
Forense-Universitária, 1974.
TREVISAN, Armindo. A poesia: uma iniciação à leitura poética.
Porto Alegre:Ed. UNIPROM, 2001.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: